Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Poética abstrata

Hoje estava conversando com um amigo e por um comentário dele pude refletir sobre um assunto deveras interessante. Ele asseverou que não conseguiu entender as ultimas mensagens que eu havia postado no Twitter.


Tempo escrito esporadicamente textos que não podem ser compreendidos, se o leitor não estiver imerso em dado contexto ou não conhecer dada cultura.Alguns outros fazem pouco sentido se lido isoladamente.

Uma mensagem que havia postado dizia o seguinte: “Estamos no ano 50ac. Toda a Gália foi ocupada pelos romanos. Toda? Uma aldeia povoada por irredutíveis gauleses ainda resiste ao invasor”. E o que tudo isso queria dizer? Quem é aficionado por historia em quadrinho sabe que esta citação está impressa nas primeiras páginas das revistas do Asterix. Ler isso em alguns provoca risos, em outros arrepios e em mais alguns outros, tédio. Para mim, o objetivo deste post não foi a compreensão, sim a reação. Sabendo disso o post passa a ter sentido. Ainda trazendo o texto para o cotidiano, ela poderia estar sofrendo pressão e de maneira irônica escrever, mas para não ser compreendida, e ainda assim atendendo ao impulso de se comunicar. Mas esta não foi a minha intenção. O que poderia provocar ainda esta outra citação “Esses Romanos são uns neuróticos”, ou então outra “ô Cride, fala para a mãe...”?

Traçando um paralelo com as artes visuais abstratas, acredito que realmente possa existir a poética abstrata. Resumidamente lembrando que as abstrações não podem ser compreendidas pela lógica cartesiana e assim ela não é feita para ser compreendida, apenas sentida. Mas não é qualquer um que conseguem consumi-las, apenas alguns poucos que estejam familiarizados com a linguagem e sintonizados com a obra e o universo de criação do artista. Igualmente a pintura abstrata, a poética abstrata deve ser sentida, o contato com cada palavra pode transportar o leitor a um universo de significados e significantes próprios. Assim lendo um clássico trecho de Asterix me torna feliz, pois uma citação é como um índice que pode trazer os velhos sentidos e vividos.

Muitos artistas utilizam-se desta artimanha, e podemos ver em filmes e também na música. Os Titãs, utilizaram o “ô Cride fala para a mãe” na música “Televisão”. Esta é uma clássica referencia ao comediante Ronald Golias. “Esse bordão remete a cidade natal de Golias, São Carlos, pois o original era "ô Cride fala pra mãe que eu vou lá no Grêmio", (Grêmio Recreativo e Cultural Flôr de Maio), que é um clube social da comunidade negra da cidade.” (Wikipédia)

Uma só citação pode puxar muita coisa, e continuarei escrevendo poesias abstratas para quem estiver disposto a ler. Então talvez tenha que escrever para o mundo inteiro entender? Estou convicto que não, pois a comunicação possui limites claros. Alguns de meus seguidores compreenderam e se divertiram, para outros foi indiferente e outros ainda, se entediaram. Creio então que obtive sucesso, pois o objetivo era provocar emoções.

Nenhum comentário: