Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 23 de dezembro de 2003



Presépio feito com Grama, em uma praça da cidade de São Paulo


Pequena casa feita com papelão



Porcelana antiga sobre uma mesinha de sala

quinta-feira, 18 de dezembro de 2003

O Verdadeiro Retrato de Jesus

Este documento foi encontrado no arquivo do Duque de Cesadine, em Roma. Esta carta, onde se faz o retrato físico e moral de Jesus, foi mandado de Jerusalém ao Imperador Tibério César, em Roma, ao tempo de Jesus. Escrito por Públio Lêntulus, um senador da Judéia, que ninguém mais éra que nosso caro Emmanuel.


"Sabendo que desejas conhecer quanto vou narrar, existindo, nos nossos tempos, um homem, o qual vive atualmente de grandes virtudes, chamado Jesus, que, pelo povo, é inculcado o profeta da verdade, e, os seus discípulos dizem que é Filho de Deus, Criador do céu e da Terra, e de todas as coisas que nela se acham e que nela tenha estado; em verdade, ó César, cada dia se ouvem coisas maravilhosas desse Jesus: ressuscita os mortos, cura os enfermos, em uma só palavra: é um homem de justa estatura, e é muito belo no aspecto, e há tanta majestade no rosto, que, aqueles que o vêem, são forçados a amá-lo ou temê-lo.

Tem os cabelos da cor da amêndoa bem madura, são distendidos até as orelhas, e, das orelhas, até as espáduas, são da cor da terra, porém mais reluzentes. Tem no meio de sua fronte, uma linha separando os cabelos, na forma em uso nos nazarenos, o seu rosto é cheio, o aspecto é muito sereno, nenhuma ruga ou mancha se vê em sua face, de uma cor moderada; o nariz e a boca são irrepreensíveis.

A barba é espessa, mas, semelhante aos cabelos, não muito longa, mais separada no meio; seu olhar é muito afetuoso e grave; tem os olhos expressivos e claros, e, o que surpreende, é que resplandecem no seu rosto como os raios do sol, porém ninguém pode olhar fixo no seu semblante, porque, quando resplandece, apavora, e, quando ameniza, faz chorar; faz-se amar e é alegre com gravidade. Diz-se que ninguém o viu rir, mas, antes chorar. Tem os braços e as mãos muito belos; na palestra, contenta muito, mas o faz raramente, e, quando ele se aproxima, verifica-se que é muito modesto na presença e na pessoa.

É o mais belo homem que se pode imaginar, muito semelhante à sua mãe, a qual é de rara beleza, não se tendo jamais visto uma mulher tão bela; porém, se a Majestade Tua, ó César, deseja vê-lo, como no aviso passado escreveste, dá-me ordens, que não faltarei em mandá-lo o mais depressa possível. De letras, faz admirar de toda cidade de Jerusalém; Ele sabe todas as ciências e nunca estudou nada. Ele caminha descalço e sem coisa alguma na cabeça. Muitos se riem vendo-o assim, porém, em sua presença, falando com ele, tremem e admiram. Dizem que, um tal homem, nunca fora ouvido por estas partes. Em verdade, segundo me dizem os hebreus, não se ouviram, jamais, tais conselhos, de grande doutrina, como ensina este Jesus; muitos judeus o tem como divino, e muito me querelam, afirmando que é contra a lei da Tua Majestade; eu grandemente molestado por estes malignos hebreus.

Disse que, este Jesus, nunca fez mal a quem quer que seja, ao contrário, aqueles que o conhecem, e com ele tem praticado, afirmam dele ter recebido grandes benefícios e saúde, porém, à tua obediência estou prontíssimo, aquilo que Tua Majestade ordenar será cumprido. Vale, da Majestade Tua, fidelíssimo e obrigadíssimo.


Públio Lêntulus, presidente da Judéia. Lindizione sétima, luna seconda".

segunda-feira, 15 de dezembro de 2003

O mundo é o que é, porquê é, diria um velho deitado chinês.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2003


Não gosto de ver a imagem do Cristo presa a uma cruz. Alias isto é coisa que deveríamos esquecer, pois fico profundamente envergonhado perante aqueles iluminados.




terça-feira, 9 de dezembro de 2003

Lugar danado para chover é aqui na grande São Paulo.

Temos a chamada chuva de verão. Acontece na maioria das vezes na parte da tarde, depois das três até as seis horas no máximo.

Chover é uma tradição bem paulista, pois gostamos de ver o céu todo cinza, escuro, relampejando, é um ar quase impressionista, super Fashion. Quase todo paulistano anda com um guarda chuva na bolsa ou no carro.

O único problema é quando um toró, ou seja, uma tromba dágua de fazer inveja a muitas cachoeiras, que cisma de cair às sete horas da manhã. Eu que havia ido a padaria, sem guarda chuva, cheguei até com os pãezinhos encharcados.

terça-feira, 2 de dezembro de 2003

Vejam no bicho raro uma ótima matéria sobre o Natal e alguns de seus significados. Clique aqui.